Entre Cannes e Canos

Novembro 8, 2009

Relato de um dia de boa e má publicidade.

Ao fim da tarde na exposição dos premiados do Festival de Cannes no Terreiro da Paço, a ver isto:

AXE Day or Night?
AXE Day or Night?

Ou isto:

WWF It's your turn

WWF It's your turn

Ou outras ideias originais como a estrada que dá música – mas apenas se o condutor for a 40km/h como estratégia de prevenção da sinistralidade rodoviária.

Ao princípio da noite os Canos. Os prémios para os piores da publicidade. Apresentação de Fernando Alvim. Como convidado especial José Carlos Marques autor do blog (e do livro) Vendo a Minha Mãe que tem vindo a reunir os melhores (piores) anúncios de classificados.

E o vencedor da noite com direito a entrega de prémio pela Marta da Ok Teleseguro(que na verdade é Xana). O anúncio da Lógica (mas sem lógica nenhuma) arrecadou desta forma o Grã Pri:

O meio é a mensagem, disse McLuhan.
Não sei então o que dizer desta notícia.

O novo suporte publicitário são precisamente os pequenos e irritantes seres voadores. A novidade foi introduzida no decorrer da Feira do livro em Franfurt onde foram lançadas duzentas moscas com pequenos autocolantes publicitários.
O autocolante é infensivo para as criaturas, garantem. Dizem que a mensagem descola das moscas ao fim de duas horas. Eu pergunto quanto tempo demorará a colar a mensagem na mente dos consumidores.

Esta novidade pôe a um canto a publicidade em Smarts, na areia ou até tatuada na testa.

O ponto positivo é que agora as moscas não veiculam só doenças, também veiculam publicidade.
Diria que é um novo posicionamento das moscas no mercado.

E se este anúncio de 1969 aos cigarros Kart ainda fosse permitido nos nossos dias?

pub_tabaco

Já nem falo da associação inconsciente, mas imediata, da marca de cigarros a um veículo motorizado. Não consigo escolher o que mais choca. A publicidade que faz mal ao pulmões ou o cigarro encarado como presente.  Prova que a sociedade não pára de evoluir – e isto nem foi assim há tanto tempo.
Esta e outras pérolas do antigamente, neste site de nostalgia.

Já agora, é por isto que as marcas de cigarros arranjaram outras maneiras de comunicar e assim criar notoriedade para a marca. É verdade que a Malboro ou a Camel não podem publicitar os seus cigarros. Mas e a sua linha de roupa?…E devagar, devagarinho…já entrou! Está na mente do consumidor.

“It’s time for a change” foi o mote de campanha de Barack Obama. A simplicidade da mensagem foi na mesma medida da sua eficácia.
Algo a ter em conta na publicidade. Duplos sentidos e frases rebuscadas podem resultar num copy excelente, elogiado, potencial vencedor de prémios. Mas a força e facilidade de compreensão de um slogan simples continuam a funcionar.

Não fui a única a reparar. Não só porque vi em blogs outros posts sobre este assunto, como pela campanha com que me deparei esta amanhã.
Não sei se foi propositado ou não. Mas a promessa do novo Renault Mégane é “É Tempo de Mudar”.
Isso disse o Obama. E resultou.

Vi-o há  pouco tempo na FNAC. É de facto tão fino e adorável como parece neste anúncio:

Mas parece que o elegante Macbook Air e o seu anúncio já são alvo de paródia. O espírito publicitário mais ou menos talentoso que existe em cada um de nós (eu acredito nisto) levou a que fizessem esta brincadeira com o anúncio:

De um ponto de vista muito mais sério (?), alguém alerta para as consequências que um portátil desta elegância pode trazer para a sociedade de laptops. É a obsessão pela magreza, já sobejamente discutida entre as pessoas, mas ainda um tabu para o mundo informático. Fica o aviso.